segunda-feira, julho 29, 2013

Fui abduzida

Nossa! Acabo de ler meu perfil aqui do blogger. Como posso ter mudado tanto?
Sempre escrevo umas possíveis postagens e depois fico pensando se posto ou não... Algumas posto, outras esqueço, outras apago antes de bater a coragem de postar, outras ainda escrevo em papel e fico com preguiça de digitar... E hoje foi um dia de escrever aquelas palavras íntimas e reveladoras, cheias de excitação na hora de decidir sobre a postagem... Como ainda não perdi todos os medos e não sei com toda certeza se quero me expor, resolvi passear pelo blog. E cheguei a conclusão que fui abduzida. Citação em ingres sobre trabalho, livros sobre a bolsa, filmes de autoajuda? Como foi que consegui me libertar dessas merdas tão desejadas por mim no passado? Tenho que escrever mais. Preciso entender como me odiava tanto (sem perceber) e agora tô assim: cada momento mais "de boa" comigo...
Que pirinha!
Na próxima vez que estiver de bobeira vou atualizar isso.
Beyjas noturnas ;)

terça-feira, maio 21, 2013

TeCeCendo...

Então... tô de volta... Com mil maluquices muito mais aleatórias do que sempre já postava aqui. A vida loka me pegou de novo... e não tinha mais ritalina na farmácia pra me devolver pro mundo contida... Então, vou compartilhar com o mundo a saga da maluca!!! Mas ainda vou tentar passar o resto do dia na Biblioteca... Antes que apareçam as pessoas lindas que tenho encontrado pelo caminho, as conversas maravilhosas e os momentos de alegrias mundanas que tenho tido... ou simplesmente me distraia comigo mesma.
Foto: Nubia Abe - Fotografia

quinta-feira, abril 05, 2012

Piras Aleatórias

E não importa quantas piras aleatórias eu tenha racionalmente estabelecido como prioridade na minha vida, agora a que prevalece é vomitar palavras reprimidas.

UFA! Já estou aliviada.

Eu juro que queria ter visto tudo sempre com mais clareza. Mas não importa. Agora eu vejo. Como me vendo fácil. É só uma possibilidade remota de encurtar meu sofrimento (escolhido) abanar que já deixo tudo que tinha planejado de lado e volto pra aquele padrão de dar passos maiores que as pernas. E me frustrar. Sai esperança infantil!!!

(escrito em 22/03, surtando pq queria aprender distribuições sem saber análise funcional...)

segunda-feira, agosto 01, 2011

SOMAIÊ - Compilação

Carol e suas terapias...

Depois de muitas conversas, pesquisas e toda sorte de acasos do destino... Acabei por encontrar uma terapia que em teoria se parece com a terapia ideal para mim. Como eu gosto mesmo é de coisas difíceis, descobri que não tem em Floripa - novidade! - Assim tenho que juntar o povo pra poder me LIBERTAR também :)

Como não adianta muito eu tentar no gogó (eu mesma só engoli um monte de teoria sobre o assunto) convencer @s amig@s então resolvi compilar as informações da maneira que achei mais conveniente ;)

Assim, se ficar interessad@ por favor se manifeste. Estou mirando o primeiro encontro para o fim de agosto, mas tem que ter gente suficiente.

O resumo do resumo: A SOMAIÊ é uma modificação da somaterapia de Roberto Freire, a partir das experiências de Rui Takeguma.

O Que é Somaiê ?

A SOMATERAPIA é uma vertente dos processos terapêuticos que opta em priorizar uma visão holística no meio da psicologia. A PSICOlogia nasceu e mantém uma visão de que o pensamento (cérebro e processos mentais) são hierarquicamente superiores ao corpo (corporalidade). Assim as somaterapias fazem parte de um arcabouço cultural das SOMATOlogias.

Na década de 1970. ROBERTO FREIRE começou a desenvolver uma somaterapia que recebeu o nome de SOMA, Uma Terapia Anarquista. Desde então formou vários somaterapeutas de Soma, houveram várias dissidências, pessoas que trabalharam com Freire, e depois buscaram seus próprios caminhos.

RUI TAKEGUMA fez Soma em 1990, e formação de 1990 a 1993.

De 1993 em diante atuou como Somaterapeuta de Soma em várias cidades e Estados brasileiros.

Em 2002 nasceu a SOMA-IÊ. Rui adotou esse nome para homenagear a SOMA e Roberto Freire, e agregou o IÊ como uma referência ao ambiente da cultura popular: a capoeira. Em 2003, retira o hífen e mantém o nome SOMAIÊ.

A SOMAIÊ existe há 9 anos, mas sintetiza o percurso prático e teórico de 20 anos (1990/2011) de Rui Takeguma dentro da Somaterapia.

Como FUNCIONA a Somaiê ?

O objetivo da Somaiê é promover experiências em um grupo de pessoas entre 12 a 21 meses, criando um microcosmo de relacionamento, convivência e produção em três níveis de produção:

- COM O SOMATERAPEUTA: são as atividades conduzidas pelo somaterapeuta de Somaiê responsável pelo grupo. No geral são 4 VIVÊNCIAS CORPORAIS mensais (VC). Sendo que a primeira metade (1h30) é voltada para atividades corporais lúdicas, e a segunda metade (1h30) para a avaliação e trocas de informações sobre a primeira metade. (provavelmente vai ser tudo em um fim de semana por mês aqui)

- COM O GRUPO: são as atividades sem a presença do produtor de Somaiê: o GRUPÃO, momento fundamental para o grupo construir uma dinâmica própria e autogestiva, seja para os membros aprofundarem suas relações, adquirir fundos para o pagamento da Somaiê, ou ainda pesquisas em pedagogia libertária. E o CAPOEIRÃO momento em que os membros do grupo trocam experiências do seu aprendizado na capoeira (o CAPOEIRÃO começa a acontecer depois da primeira vivência de campo).

- INDIVIDUALMENTE: são as atividades desenvolvidas por membros do grupo de forma individual como a prática semanal da CAPOEIRA ANGOLA, leituras e pesquisas indicadas.

Essas atividades mensais fortalecem a dinâmica do grupo, as pessoas interagem e vivenciam situações diversas. As atividades tem um caráter pedagógico e diagnóstico, ao nos mostrar os bloqueios e libertarismos, como ao vivenciar estes momentos, vem o caráter terapêutico.

Nos últimos meses do processo, as vivências corporais (VC) são transformadas em vivências dedicadas a cada membro do grupo. São as cadeiras quente (CQ), onde toda a técnica e dinâmica é voltada para cada um.

A passagem pela SOMAIÊ, é um marco na vida de seus participantes, e quem chega ao final, completando as cadeiras quentes, a última vivência de campo, e a produção do Jornal Tesão, obtém um material sobre si e seu viver que modificam sua estrutura autopoiética de uma forma definitiva.

A passagem pela SOMAIÊ é uma forma de desconstruir a percepção do UNIVERSO em uma realidade e aceitar a constituição biológica do MULTIVERSO e suas infinitas realidades possíveis; é uma forma de expandir sua corporalidade através do desenvolvimento de suas Potencialidade Múltiplas no viver... (o que quer que seja que isso queira dizer, parece interessante :))

Os grupos Somaiê:

A Somaiê funciona em grupos com duração de 12 a 21 meses, evitando assim a formação de dependências com o produtor de Somaiê (somaterapeuta) ou com o próprio grupo. Nesse sentido se mostra fundamental seu caráter pedagógico.

A dinâmica de cada grupo passa por 3 a 4 etapas, que podem ser, didaticamente, categorizadas em:

0 - Aproxima-Ação (tempo indefinido) - É o momento PRÉ-SOMAIÊ, onde ainda não existe o grupo terapêutico, mas se começa a transformar o desejo individual de se fazer a SOMAIÊ numa formação de um GRUPO. Essa fase para algumas pessoas pode haver o conhecimento teórico, adquirido em artigos, livros, na internet ou através de amigos que falam sobre, ou pode acontecer dentro de núcleos que já estão se formando com o objetivo de se fazer a SOMAIÊ. Quem hoje faz ou fez SOMA, tem essa aproximação da SOMAIÊ, mas não conhece as evoluções que desenvolvemos desde 2004. Essa fase pode ser inexistente, para pessoas que já entrem direto num grupo, bem como pode durar anos, no caso de pessoas que conhecem ou leram, mas não tiveram acesso a um grupo de SOMAIÊ.

1 - Aprendizado (A - 1 a 5 meses) - É a fase em que o somaterapeuta inicia a técnica aplicada a um grupo de interessados. Nessa fase a principal característica é que o grupo é ABERTO a entrada de novas pessoas, assim pode durar alguns meses para quem entra no início e faz todos os exercícios de SOMAIÊ, bem como pode durar um mês, para os integrantes do último mês em que o grupo aceita novos participantes. Sendo que em qualquer momento da terapia, os participantes podem se afastar da técnica. Nessa etapa começa a acontecer a técnica coletiva e se torna um APRENDIZADO da SOMAIÊ, suas propostas, técnicas e objetivos. (Valores convidativos para facilitar)

2 - Aprofundamento (B e C - 7 a 11 meses) - É a fase entre o fechamento do grupo a novas pessoas e a entrada das cadeiras quentes. O custo da SOMAIÊ atinge seu valor pleno e, na maior parte das vezes, o grupo desenvolve produções que ajudam a complementar a parte financeira, como festas, saraus, ou ainda produtos a serem comercializados, como adesivos, camisetas, etc. Aqui a SOMAIÊ se transforma num LABORATÓRIO de LIBERDADES, onde cada participante busca uma sinceridade vivencial de se expor e se conhecer. As trocas e percepções aumentam a cada mês, e inevitavelmente se passam por variadas CRISES, o que aprofunda o conhecimento de si e do outro. Neste período se realizam duas vivências de campo e uma individual com o terapeuta.

3 - Pedagogia para a vida (D - 4 a 6 meses) - Fase final desta vivência libertária, que é a SOMAIÊ. Após o aprendizado de doze a dezesseis meses das fases anteriores sobre as dificuldades e 'bandeiras' terapêuticas pessoais, a terapia se finaliza com a produção de sessões que possuem em média de 4 horas de duração para cada pessoa do grupo, inclusive para o produtor de Somaiê. Estas sessões são chamadas de CADEIRA QUENTE (inspiradas nas hot seats da Gestalterapia, e na cadeira quente da SOMA). Nelas o grupo promove um retorno para cada integrante através do conhecimento adquirido e experienciado a respeito dele durante os meses de convivência. Este é um momento de explicitar a política por detrás da psicologia, demonstrando que cada ato nosso é um ato político e que, a partir dele estamos contribuindo para a construção de uma sociedade mais libertária ou mais autoritária. Após todos os membros passarem pela cadeira quente, existe a vivência de campo final, e o Te&So do JORNAL TESÃO.

Sobre as VIVÊNCIAS Corporais mensais: (VC)

- três (3) delas são EXERCÍCIOS de SOMA, que Rui Takeguma aprendeu com Roberto Freire e o Coletivo Anarquista Brancaleone, de 1990 a 2002. Rui vem criando novos exercícios e atualizando os antigos. A maioria deles é dividida em três etapas sequenciais: exercícios corporais e em grupo (1h 30), leitura sobre as percepções dos participantes durante os exercícios (1h) e fechamento teórico realizado pelo produtor de Somaiê (30min.). O produtor de Somaiê é quem conduz as vivências, nas quais são estudados (ênfase no caráter pedagógico) e terapeutizados os mecanismos políticos geradores das neuroses. Esta técnica visa o trabalho prático e objetivo a partir das origens dos sintomas neuróticos, e não, paliativamente, sobre as suas consequências. Algumas Vivências Corporais são Debates e Vídeos, ou com prioridade no pensamento; isto é, algumas fogem das sequencia tradicional (exercício+leitura+fechamento).

- uma (1) é voltada para a CAPOEIRA ANGOLA ou para aprofundar a DINÂMICA do grupo. Em que o produtor de SOMAIÊ faz a ligação entre a terapia com o aprendizado da capoeira angola individual, ou se realizam debates sobre o cotidiano do grupo e das pessoas, envolvendo a dinâmica e o aprendizado prático de uma pedagogia libertária.

Sobre as CADEIRAS QUENTES: (CQ)

-Nesta fase, se repete a estrutura das vivências mensais, com a média de 12 a 16 horas de atividades por mês. Sendo que os 3 exercícios de SOMA são substituídos por CADEIRAS QUENTES. Nome que Freire trouxe da Gestalterapia de Fritz Perls, para produzir um fechamento individual do aproveitamento da SOMA em seus indivíduos. A CADEIRA QUENTE na SOMAIÊ é um sintetizar dos meses anteriores (fases aproximação, aprendizado e aprofundamento) em que todo o grupo foca um indivíduo. Assim, na fase de CADEIRAS QUENTES, cada mês se trabalha três participantes do grupo. A CADEIRA QUENTE possui 4 fases sequenciais: INDUÇÃO, AFIRMAÇÃO, PERGUNTAS e FECHAMENTO. Com tempos variados e técnica detalhada no Livro da SOMA de Roberto Freire, e especificada no início da fase das CADEIRAS QUENTES, o Aprendizado para a Vida.

Sobre as INDIVIDUAIS: (I)

ANTES da primeira Vivência de Campo, TODOS os participantes necessitam de fazer uma entrevista individual com o somaterapeuta de SOMAIÊ. Nesta entrevista pode ocorrer algum impedimento de se participar na técnica, mas no geral é uma forma do terapeuta conhecer melhor os participantes do grupo. Tem a duração média de 40 a 60 minutos e uma taxa de 30 reais. Caso o participante ou o somaterapeuta achar necessário outra conversa individual, ela pode ser marcada no decorrer dos meses da terapia.

Sobre as VIVÊNCIA DE CAMPO: (MC)

No mínimo, em três dos meses que compõem o período da experiência libertária em grupo, as vivências da cidade são substituídas por viagens para VIVÊNCIAS NA NATUREZA, onde há um crescimento nas dinâmicas dos grupos em consequência de uma maior percepção individual, seja no contato com outros grupos, seja no contato direto com a natureza. São exercícios em locais que ainda preservam ecossistemas com pouca interferência humana tecnológica, como Ibitipoca - MG, Visconde de Mauá - RJ, Nova Lima - MG e Lençóis - BA. Recomenda-se que os grupos experimentem locais diferentes pra uma de suas três vivências na natureza.

Sobre os ENCONTROS de TEORIA & SOMAIÊ : (Te&So's)

Após 2006, foram incorporados a técnica da SOMAIÊ a participação dos grupos nos Encontros de Te&So que ocorrem nas cidades de atuação do produtor de SOMAIÊ. Isto é, cada grupo de SOMAIÊ acontece de forma fechada na maior parte das vivências mensais (menos na fase de APROXIMA-AÇÃO e APRENDIZADO, os meses iniciais), mas dialoga com o social da cidade em que acontece, compartilhando algumas vivências com pessoas novas, inclusive aquelas que possam não fazer a terapia, mas que participem dos Encontros de Te&So.

Nos meses que o grupo faz Te&So, existem ainda 1 a 2 vivências mensais fechadas aos participantes. Isto é, nesses meses se aumenta a carga horária, pois no lugar de 4 vivências mensais (VM) o grupo realiza 1 a 2 vivências e o Encontro de Teoria e Somaiê, aberto a população local.
(link quebrado
O último encontro de Te&So acontece depois das cadeiras quentes e da terceira vivência de campo, nesse momento o grupo de SOMAIÊ participa da co-produção do Jornal TESÃO, Prazer & Anarkia.


...da Soma à Somaiê

Desenvolver uma nova prática psicológica que auxiliasse os homens na busca de sua liberdade. Era esse o objetivo de Roberto Freire quando decidiu romper com a psicanálise e criar a SOMA, durante o regime militar no Brasil.

Baseada nas idéias iniciais de Wilhelm Reich, discípulo dissidente de Freud, a SOMA considera a neurose fruto das organizações sociais autoritárias. Numa sociedade onde a liberdade de ser é impedida através de mecanismos repressores presentes na família tradicional burguesa, na pedagogia escolar autoritária e nas religiões castradoras, a neurose surge como um processo de ajustamento dos indivíduos. (Gente, é disso que eu desejo me libertar. Vamos?)

Além de ser um fenômeno social, que se forma de fora para dentro, a neurose se instala em todo o corpo das pessoas, impedindo-as sobretudo de se expressem livremente em sua espontaneidade, afetividade e sexualidade. Assim, a SOMA é uma terapia corporal, utilizando-se de exercícios próprios que, além de agirem sobre a couraça neuromuscular do caráter (tensões crônicas da musculatura voluntária, que retém a neurose no corpo das pessoas), também informam como a repressão atua no cotidiano.

Desde a criação da SOMA, Roberto Freire preocupou-se em formar novos companheiros de pesquisa. Na década de 80 teve uma primeira separação de discípulos formados por ele. Acreditando que para fomentar de uma maneira realmente útil e efetiva a libertação humana em direção a uma outra organização social e política, precisaria estar sempre se renovando e se abrindo a novas descobertas científicas, Freire radicalizou na pesquisa da capoeira como a última peça para compor a base da SOMA, fortalecendo-a e deixando-a pronta (enquanto base) para que as novas gerações de terapeutas continuassem a pesquisa.

SOMA-IÊ

No período de 2002, houve o desenvolvimento da SOMA-IÊ em São Paulo, Belo Horizonte e Curitiba (além de apresentações em São Carlos, Salvador e Recife). Nesta fase Rui Takeguma reavaliou o que achava mais importante para a atualização e definição de seu trabalho.

A partir disso, ampliou o conceito de 'tripé básico' da terapia. Além da base consolidada na década de 90, que consistia em fazer as vivências, produzir o grupão e a prática semanal da capoeira, inseriu à técnica dois novos pontos: produção do Capoeirão (trocas em capoeira angola sem a presença do somaterapeuta - atualmente, produtor de SOMAIÊ - , que acontecem no mínimo uma vez ao mês) e a produção de eventos ou produtos pelo grupo de SOMA-IÊ. Promoveu a renovação de exercícios e a produção de novas vivências dentro da SOMA-IÊ. A pesquisa das vivências na natureza (vivências de campo) se consolidou na realização de 3 por grupo e, preferencialmente, uma em cada local diferente. Há alguns anos, Rui já havia pesquisado Nova Lima e Serra do Cipó, além de várias outras localidades, mas em 2002, Rui implantou a viagem a Ibitipoca em MG, como um roteiro básico nos grupos do Sul/Sudeste.

Rui Takeguma retomou projetos em Pedagogia Libertária: as Oficinas de Criatividade Libertária - continuação do Curso de Pedagogia Libertária ; a publicação do jornal TESÃO, prazer e anarkia; a volta do Prêmio Walter Firmo de fotografia; com o grupo de capoeira em pedagogia libertária a criação da FACA - Federação Anarquista de Capoeira Angola, que em novembro de 2002 gravou seu primeiro CD de músicas de capoeira. E em novembro de 2003 grava o CD duplo e ao vivo do projeto Memória da Capoeira.

SOMAIÊ
Em Maio de 2003, Rui iniciou o desenvolvimento da SOMAIÊ, uma vivência libertária: produção cultural, e não apenas terapia; produtor de SOMAIÊ, e não somente somaterapeuta. Enfim, uma vertente de e em desenvolvimento da somaterapia que, além de atuar na (anti) psicologia, é uma técnica de permanente atuação na política e na cultura.

Em 2004, nasce o conceito do Te&So, como uma instância teórica da técnica. Mas que começa efetivamente em Janeiro de 2005, no site de Richard Abreu:(link quebrado) Teoria&Somaiê.

Em 2005, a Somaiê estabelece uma nova cobrança das taxas. Seja diminuindo ainda mais os valores (em comparação a que Rui Takeguma praticava na Somaterapia de 2001), seja aumentando o número de bolsas por pagantes dentro dos grupos.

Em AGOSTO de 2006, a SOMAIÊ absorve a Te&So incorporando de 3 a 4 meses de vivências e encontros de Te&So estruturados na terapia. Em OUTUBRO de 2006, a SOMAIÊ retorna com o Jornal TESÃO, uma forma impressa de divulgação, aliado agora a técnica terapêutica.

Extraído principalmente de http://somaie.vilabol.uol.com.br/ (que foi atualizado pela última vez em 2008)

Pontos importantes:

  • É muito atrativa para mim a idéia de uma terapia com começo e fim.
  • Um valor que cabe no meu bolso de estudante parasita. (estou estimando inicialmente algo entre 60 e 40 reais por cabeça ou menos)
  • Cansei e desacreditei de terapias tradicionais a tempos.
  • Amo a idéia de liberdade. Tenho problemas sérios com autoritarismo e não conheço ninguém livre desse tipo de problemas.
  • Ando flertando a tempos com ideologias libertárias. Eis uma excelente oportunidade de aprender mais sobre o assunto: vivenciando.
  • Farejo intensidade nessa onda: prazeres do corpo, rompimento de couraças, fim da letargia... Tesão, hummm...
  • W. Reich acreditava que livres das couraças podemos atingir níveis muito mais intensos de orgasmo (e assim sermos plenos, saudáveis e felizes). Tem certeza que não quer experimentar?
  • A construção de uma nova realidade num futuro próximo (que começa agora) e a capacidade de estar engajada nessa construção (projetando, realizando, me satisfazendo). Vamos juntos?
  • Vou provavelmente ser uma professora. Não quero passar adiante essa pedagogia da rigidez punitiva com a qual convivo. Quero ensinar gente e não amedrontar mais ainda cérebros inanimados ou/e já amedrontados.
  • E tem a capoeira, pra tornar o corpo ágil e forte, sentir que podemos entrar no jogo, nos defender quando e se for preciso, encarar ou desviar, ter uma proteção que não sufoque... pegar a manha...
  • Estou empolgada.

Acredito que quando o ser se liberta, ainda que individualmente e aos poucos, vai contaminando todos ao seu redor com seu espírito livre e contribuindo coletivamente só por existir e acreditar. Daí pra frente a vontade de fazer ocupa o espaço livre deixado pelo medo. A satisfação e prazer tomam conta e existe a possibilidade de viver plenamente ou, pelo menos, com energia para a realização de nossa história pessoal (coletiva e individual).


quinta-feira, julho 28, 2011

vida café-com-leite inclui férias café-com-leite :x

Especialmente para meus leitores madrugadeiros, resolvi postar mais um mini capitulo da minha novela particular...
Sobre o TDAH, a UFSC, eu e o Ministério Público.

O que aconteceu:
Depois de aceitar que tenho isso, engolir meu desprezo pela medicina tradicional, me submeter a esse tratamento, me expor diante de professores e assemelhados ainda viriam problemas relacionados a ignorância alheia...

Sem meias palavras: Sabendo que tinha direito de receber tratamento pedagógico adequado fui atrás de meus direitos. Algumas pessoas disseram que iriam ajudar, mas sem saber direito como, não fizeram nada. Outras pessoas deliberadamente não fizeram o que deviam ter feito simplesmente porque têm um ego imenso e não são capazes de proferir as palavras "desculpe-me, eu estava errada, farei o possível para consertar meu erro de julgamento e consequências".

Ai que entra o MP na história.
Depois de ter passado um ano reclamando de falta de critério de avaliação de um certo professor, via ouvidoria, recebi a resposta do departamento de que minhas reclamações não poderiam ser verificadas pois não estava prevista dentro dos regulamentos... E outras saídas frustrantes motivadas pelo corporativismo óbvio e pela falta de articulação dos estudantes. Assim descobri o MP Federal. O que foi uma felicidade para minha alma inconformada com tanta incompetência e falta de vontade de fazer o que é ético e correto.

E como em toda boa história nessa também haviam pessoas do bem que fazem seu trabalho com dedicação e contentamento ;) e eu tive sorte de encontrar várias dessas pessoas em meu caminho.

Gastei uma tarde explicando o que estava acontecendo, e fazendo uma representação. Lá me explicaram que iria demorar um pouco para as coisas se acertarem, mas que eles iriam averiguar se eu estava tendo meus direitos respeitados.

Assim depois de um semestre tenso, e ainda por cima adequação de medicamentos aconteceu o esperado: Fiquei com I em uma das disciplinas, outra passei com 6 (e possibilidade de melhorar a nota nas férias) e a terceira mais complicada porque para melhorar eu tenho dificuldades com a matéria e a professora é inacessível: nessa fiquei com prazo para entregar um trabalho condicionado ao atestado médico (que eu já tinha). Se eu tiver média, terei direito a fazer uma prova de recuperação. Ou seja, café-bem-amargo no semestre e férias café-com-leite...

Mas estou bastante satisfeita com o que consegui:

+A partir de 2011.1 tem gente competente intermediando minhas relações academicas e capacitando todos os meus professores. Agora tenho uma chance de ser avaliada em pé de igualdade com meus colegas :)

+Todos as pessoas que acompanharam minhas novelas puderam constatar que existem pessoas que não engolem sapo (ou não muitos, pelo menos) e com essas é melhor fazer o correto sempre pois desgasta menos que ter que consertar ou encobertar os erros.

+Ter certeza que estabilidade no emprego público tem limite sim. E abuso moral é falta grave. E gravar conversas para usar como prova de defesa está perfeitamente dentro da lei, mesmo que o interlocutor não saiba que a conversa está sendo gravada. O que está errado é induzir a pessoa a cometer um crime e gravar, como por exemplo oferecendo suborno.

+Os próximos portadores de TDAH já tem um caminho concreto a seguir. É só procurar pelo Programa de Inclusão na PREG e/ou PRAE.

+Descobrir que não estou sozinha. Existem outros alunos com o mesmo diagnóstico que já estão recebendo tratamento pedagógico adequado.

+Entender que devo continuar seguindo minha vocação porque o TDAH vai junto dificultando tudo, independente da escolha. A respeito das m&R#@$ que ouvi, ainda que eu decidisse mudar para algum curso que a maior parte dos alunos tenha dificuldade na matemática e ela seja necessária, eu teria dificuldades piores, pois o desprazer (com o conteúdo ou com os professores) atrapalha exponencialmente meu aprendizado. Por isso o desejo ardente de me cercar de pessoas que trabalham satisfeitas com suas escolhas, e o desespero em ter que me sujeitar a presença de frustrados que passam seu tempo reclamando sobre o capim minguado no fim do mês e esperando a aposentadoria em lugar de encontrar uma ocupação na qual estejam engajados e satisfeitos. #prontofalei

+Descobri que tenho meus pontos positivos, incluindo a criatividade e agilidade de uma mente com milhões de pensamentos (cuja distinção sobre o que é prioritário ainda precisa ser mais treinada, é claro). E a minha própria maneira, chego as soluções que busco. (apenas 5% da população tem essa curse and gift) E a capacidade de ver pontos de vista como esse :)

+Descobri que ter coragem é fazer o que acha certo apesar do medo.

+Descobri que meu maior medo era perder meus amigos, agora entendi que os amigos verdadeiros nunca se perdem quando vivemos o que acreditamos. E acabamos por fazer muitos outros no caminho.

(Uma vez mais posto com um delay - só um semestrinho de atraso - escrevi nas férias passadas, durante uma madrugada inspirada de Janeiro... Tenho que admitir que as férias atuais estão sendo TUDO menos café com leite! E SEM CULPA! Agora preciso escrever a atualização da novela... os novos capítulos)

terça-feira, agosto 24, 2010

Eu sou café-com-leite?!

Ando um pouco desorientada... Decidi iniciar um tratamento tradicional contra meu déficit de atenção...
Estou agora no segundo mês de medicação: A famosa ritalina.
Tudo parece um pouco diferente sob o efeito da "pílula mágica da concentração"... Brincadeirinha!
Assistir aula chata ficou suportável agora (principalmente com um iPod pra ajudar a distrair :p putz) E manter meu quarto organizado não é mais uma tarefa impossível :)
Podemos ver que meu senso de humor só melhora...
Mas tem o lado triste... Passei todo o tempo livre da minha ultima semana enfrentando o fato de que tenho uma "disability" que não sei como encarar. Eu achava que tinha essa tal DDA e isso era o motivo de não ser fácil pra mim estudar as vezes, me sentir não usual, ser diferente... Contudo não tinha idéia de como esse diagnóstico pode ser bom ou ruim e tão impactante. Alem do obvio, que é ter o tratamento médico adequado, tem toda uma gama de informações como os direitos de receber tratamento especial na universidade, que me coloquem em pé de igualdade com meus colegas... Todavia para isso vou ter que procurar meus direitos (hj vou no escritório modelo de advocacia pra me orientar), alem disso vou ter que fazer ou achar uma cartilha de "como tratar um aluno universitário portador de TDAH" para educar meus professores a respeito das minhas necessidades especiais... Já percebi que nada é fácil... O remédio ajuda a ficar concentrada naquelas horas que esta fazendo efeito mas tenho que trabalhar duro para aprender com qualquer outra pessoa.
(esse post estava sem todos os acentos pq ainda não tinha aprendido a usar esse BlogBooster direito)BlogBooster-The most productive way for mobile blogging. BlogBooster is a multi-service blog editor for iPhone, Android, WebOs and your desktop

sábado, agosto 07, 2010

Voltando das férias :)

Caminho flutuando a um palmo do chão... Não vivo mais nesse mundo (tenho a impressão que isso vai até segunda, quando começam as aulas).
Tive férias de mim mesma, essa que escreve agora é outra :)
Essa está solta no mundo, cheia de desejos e certezas que tudo é como deve ser e estou aqui pra me deleitar investigando os mistérios do mundo :)
Planejei visitar uma amiga que vive na Argentina, e com ela passear por Córdoba e Buenos Aires, infelizmente, ou felizmente - não tenho como decidir, ela não pode me acompanhar, como planejamos inicialmente...
E assim iniciaram as férias mais divertidas e intensas que lembro de ter tido.

BlogBooster-The most productive way for mobile blogging. BlogBooster is a multi-service blog editor for iPhone, Android, WebOs and your desktop